“Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida.”

“Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida.”

“Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida.”

 

Gosto muito de recomendar aos meus clientes os livros e o documentário Cooked: Ar, Água, Fogo e Terra do escritor  e jornalista Michael Pollan.

“O que devo comer? Coma comida de verdade”;

“Que tipo de comida devo comer? Principalmente vegetais”;

“Como devo comer? Pouco”.

Para os princípios citados, com exceção dos autoexplicativos, Pollan dá uma breve explicação. Sobre as carnes, o autor destaca que o norte-americano médio come praticamente 250 gramas de carne por dia, o que praticamente não deixa espaço no prato para legumes e verduras.

Pollan é jornalista e chegou a essas regras depois de investigar muito sobre dieta e saúde.

 

Aqui estão as regras:

  1. Coma comida.
  2. Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida.
  3. Evite produtos alimentares que contenham ingredientes que nenhum ser humano comum teria na despensa.
  4. Evite produtos alimentícios que contenham xarope de milho com alto teor de frutose.
  5. Evite alimentos que contenham alguma forma de açúcar (ou adoçante) listada entre os três primeiros ingredientes.
  6. Evite produtos alimentícios que contenham mais de cinco ingredientes.
  7. Evite produtos alimentícios que contenham ingredientes que um aluno do terceiro ano não consiga pronunciar.
  8. Evite produtos alimentícios com propaganda de propriedades saudáveis.
  9. Evite produtos alimentícios que tenham no nome os termos “light ” , “baixo teor de gordura ” ou ” sem gordura “.
  10. Evite alimentos que estejam fingindo ser o que não são.
  11. Evite alimentos que você vê anunciados na televisão.
  12. Compre nos corredores ao longo das paredes do supermercado e fique longe do centro.
  13. Só coma alimentos que acabarão apodrecendo.
  14. Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza.
  15. Fuja do supermercado sempre que puder.
  16. Compre seus lanches na feira.
  17. Só coma alimentos que tenham sido preparados por humanos.
  18. Não ingira alimentos preparados em locais nos quais se exige que todo mundo use touca cirúrgica.
  19. Se veio de um vegetal, coma; se foi fabricado, não coma.
  20. Não é comida se chegou pela janela de seu carro.
  21. Não é comida se tem o mesmo nome em todas as línguas. (Pense em Big Mac, Cheetos ou Pringles.)
  22. Coma principalmente vegetais. Sobretudo folhas.
  23. Trate a carne como um ingrediente extra ou um alimento para ocasiões especiais.
  24. “Comer o que fica em pé numa perna só [cogumelos e vegetais] é melhor que comer o que fica em pé em duas patas [aves], que é melhor que comer o que fica em pé em quatro patas [vacas, porcos e outros mamíferos].”
  25. Faça refeições coloridas.
  26. Beba a água do espinafre.
  27. Coma animais que se alimentaram bem.
  28. Se tiver espaço, compre um freezer.
  29. Coma como um onívoro.
  30. Coma alimentos cultivados em solo saudável.
  31. Coma alimentos silvestres quando puder.
  32. Não se esqueça dos peixinhos oleosos.
  33. Coma alguns alimentos que foram pré-digeridos por bactérias ou fungos.
  34. Adoce e salgue sua comida você mesmo.
  35. Coma os alimentos doces como você os encontra na natureza.
  36. Não coma cereais matinais que alterem a cor do leite.
  37. “Quanto mais branco o pão, mais depressa você vai para o caixão.”
  38. Dê preferência aos tipos de óleo e de grãos tradicionalmente moídos em mós.
  39. Coma todas as besteiras que quiser, desde que você mesmo as cozinhe.
  40. Seja o tipo de pessoa que toma suplementos – depois retire os suplementos.
  41. Coma mais como os franceses. Ou os japoneses. Ou os italianos. Ou os gregos.
  42. Olhe com ceticismo para os alimentos não tradicionais.
  43. Tome um copo de vinho durante o jantar.
  44. Pague mais, coma menos.
  45. … Coma menos.
  46. Pare de comer antes de se sentir satisfeito.
  47. Coma quando tiver fome, não quando estiver entediado.
  48. Consulte sua barriga.
  49. Coma devagar.
  50. “O banquete está na primeira garfada.”
  51. Passe curtindo uma refeição o mesmo tempo que o investido em prepará-la.
  52. Compre pratos e copos menores.
  53. Sirva-se de uma boa porção e não repita.
  54. “Coma como um rei no café da manhã, como um príncipe no almoço e como um mendigo no jantar.”
  55. Coma refeições.
  56. Restrinja seus lanches a alimentos vegetais não processados.
  57. Não compre seu combustível no mesmo lugar em que compra o de seu carro.
  58. Só coma à mesa.
  59. Tente não comer sozinho.
  60. Trate as guloseimas como guloseimas.
  61. Deixe alguma coisa no prato.
  62. Plante uma horta, se tiver espaço, e uma jardineira na janela, se não tiver.
  63. COZINHE
  64. Quebre as regras de vez em quando.

Receita de geleia de morango com chia

Ingredientes:

200 g de morangos não picados

1 xícara de uvas passas brancas

2 colheres (sopa) de semente de chia hidratada em 2 colheres (sobremesa) de água

200 g de morango picadinho

opcional: 1 colher (sopa) de suco de limão natural

Preparo

Lave e pique os morangos em cubos pequenos.  Hidrate a chia na água. Coloque no copo do liquidificador potente ou processador os morangos inteiros com a chia e água. Bata no liquidificador,  depois de 5 minutos novamente e mais uma vez. Depois misture os morangos picados e bom apetite.

Doses de “CONHECIMENTO”

Boas doses de CONHECIMENTO, HABILIDADE e ATITUDE e de chás podem ajudar na sua caminhada de uma vida mais saudável.

O excesso de informações coletadas precisa de sistematização e organização para virar CONHECIMENTO útil e com aplicabilidade. São muitos meio que permeiam: intuição, sabedoria, necessidades de saúde, mídias sociais, rede de contatos, acesso aos alimentos e preço. Tudo precisa ter uma lógica, um fluxo coerente e um planejamento bem estruturado.

Para essa fase do CONHECIMENTO um bom chá é o de gengibre energético, estimulante, preventivo de infecções e estimulante da circulação, onde a clareza de idéias tem sua importância ressaltada.

Mas um container de conhecimento sem HABILIDADE para usar, filtrar as informações pode ser um funil que ajuda a diluir seus ideais. Portanto aprimore a cada dia suas HABILIDADES de comunicação, negociação e principalmente de criar e manter relacionamentos.

Bora treinar sua fluência em rótulos, para saber o que você come. Assim você adquire poder de saber o que está comendo.

Sabedoria e HABILIDADE se encontram na produção dos premiados chás verdes, o energético famoso é colhido por mulheres de acordo com sua faixa etária, devido ao calor e energia das suas mãos. Também mulheres tristes não colhem para não comprometer a qualidade do produto, assim como no mundo dos negócios se a tristeza ou depressão vierem precisam ser resolvidos para seguir em frente.

O pensamento sem ação não se transforma em ATITUDE, portanto deixe o medo e empondere-se com o CONHECIMENTO e HABILIDADE e inove, busque o seu diferencial e não seja apenas mais um no meio da multidão.

Para que as ATITUDES fluam com facilidade, aposte no chá de salsaparrilha uma erva de desintoxicação, assim como os negócios onde é preciso eliminar os custos excedentes para que o sucesso do negócio possa acontecer.

Com o desenvolvimento do famoso trio da administração usufrua de um negócio onde a saúde pessoal é preservada e o prazer e de viver é presente.

“Como fazer meu filho comer o que não gosta, mas que é necessário?”

Quer que seu filho(a) coma o que ele não gosta, mas que é saudável?

A melhor de todas as atitudes com a criança é o exemplo, em especial na primeira infância, fase na qual aprende mais com o exemplo do que com o discurso.
Desde a introdução dos alimentos a partir dos seis meses é essencial a apresentação de sabores diversos para que o paladar se acostume com o sabor da rúcula, berinjela. Não ficar só na sopinha de batata, cenoura, chuchu e carne faz a diferença para a criança não crescer tão seletiva.
Tem crianças que gostam de tudo misturado, já outras se alimentam melhor se o prato tiver divisões para a carne, arroz e feijão e salada, perceber o seu filho é essencial para o sucesso.
O envolvimento é chave do sucesso. Ao levar a criança para a feira, para a cozinha fazer biscoitos, no almoço de família colocar um chapéu de mestre cuca e decorar a salada ou um avental e ser o garçom da salada ou do prato saudável faz com que alimentar-se com qualidade seja uma deliciosa brincadeira com gosto de quero mais.

O que o adulto não deve fazer?

Não fazer da alimentação um cabo de guerra ou um campo de negociações com a criança, tem necessidades que são básicas, comer é como tomar banho a criança não tem a opção de não realizar a tarefa. A partir do momento que a criança fala e quer fazer escolhas ofereça coisas parecidas para ela escolher entre batata e mandioca, por exemplo.
Não usar comida como recompensa se comer a salada ganha a porção de sobremesa. Algumas vezes por não apreciar o sabor, outras por não gostar de um determinado tempero ou ainda para ganhar atenção dos pais a criança se recusa a comer determinado alimento, é mais eficiente descobrir a causa, por exemplo, fazendo um molho de iogurte ou decorando com tomate cereja, e achar uma solução do que premiar uma atitude.

É possível dar uma “camuflada” nesses alimentos, de forma que a criança passe a comê-los sem ao menos perceber?

A camuflagem de cozinhar a beterraba no feijão ou de colocar todos os legumes na sopa liquidificados não deve ser a primeira opção de uma mãe com um filho que se alimenta mal.
Já inovar fazendo panquecas coloridas de cenoura, espinafre ou beterraba, biscoitos caseiros com aveia e gotas de chocolate é uma atitude correta.

Dicas práticas de como tornar o prato mais “atraente” para a criançada.

Usar azeitonas para olhos de sapo num sanduíche, tomate para a boca.
Fazer um macarrão cabelo de anjo com abobrinha e cenoura raladas no sentido do comprimento cozinha em 3 minutos, é mais barato e nutritivo do que aquele famoso macarrão instantâneo. Dá para fazer olhos com rodelas de ovos, nariz com a ponta da cenoura e boca de beterraba cozida.
Saladas de paladar fácil para criança que não come salada ainda são as mais adocicadas como acelga, repolho roxo e cenoura.
Frutas em forma de espetinhos ou cortadas em pedacinhos para comer com as mãos, não precisa ser um chef para realizar cortes especiais só o capricho e carinho dos pais já são suficientes.

– A mãe deve se impor e obrigar o filho a comer? Por quê?

Tem sabores que de fato não são aceitos pelo nosso paladar, mas uma criança precisa ser apresentada oito vezes a um alimento para realmente ser excluído.
Não é necessário fazer nenhuma tortura. A imposição ou obrigação de um determinado alimento só cria uma relação ruim com a alimentação.
Proibir uma criança de comer brigadeiro, chocolate, dentre outros também não é correto. Existem alimentos que são para de vez em quando e guloseimas devem fazer parte de uma doce infância com quantidade, frequência e horário determinado pelos pais.

– De que forma a mãe pode adaptar o alimento à rotina da criança?

Num mundo em que os intervalos dos desenhos são bombardeados por alimentos industrializados repletos de sabor e de super vantagens trabalhar o conceito de alimentação saudável é um grande empreitada, portanto pais e nutricionistas precisam fazer a diferença.
Crianças obesas e desnutridas ao mesmo tempo são o resultado da total entrega da escolha de nossos alimentos a indústria alimentícia, a qual sabe ganhar dinheiro e cozinhar com muita gordura, açúcar e sal. As calorias e quantidade de gordura saturada extrapola as necessidades, mas existe carência de vitaminas e sais minerais.
Atitudes simples como fazer um suco natural no lugar de abrir uma caixinha, colocar na lancheira uma fruta fresca e de época, ter a oferta de salada colorida diariamente na mesa promovem mudanças.

– Recompensá-lo por ter comido tal alimento é correto? Como isso deve ser feito?

Comer é uma necessidade em todas as fases da vida, assim como trabalhar na vida adulta, as conquistas e bons hábitos devem ser parabenizados, mais jamais recompensados.
É muito importante que os pais percebam e escutem quando a criança já está satifeita.

Torta doce de quinoa, coco e amêndoas

Ingredientes:
• 2 xícaras de quinoa preparada
• 3 xícaras de leite de soja ou vegetal
• 3 ovos
• ¾ xicara de açúcar demerara
• 1 colher de canela
• 1 colher de suco de limão
• 1 colher de óleo de girassol, canola ou coco
• 1 colher de chá de essência de baunilha
• 1 xícara de coco ralado não adoçado
• 1 xícara de amêndoas em lascas ou castanhas picadas

Modo de preparo:
Cozinhar a quinoa (da mesma forma que se faz arroz) sem nenhum tempero;
Após ter a quinoa preparada, juntar todos os ingredientes (não é preciso esperar a quinoa esfriar);
Colocar em uma forma ou refratário;
Levar ao forno (temperatura média) por volta de 40 min ou até que tenha secado (quando não der mais para ver o leite borbulhando);

Observações:
Guardar na geladeira;
Dá para congelar. Sugiro que seja congelada já cortada em pedacinhos/porções e quando quiser consumir, colocar um pouco no micro-ondas… quentinha também fica uma delicia.
A massa é bem liquida antes de assar e fica com consistência molhadinha após pronta.

No que você baseia as suas escolhas alimentares?

Quais são os seus parâmetros? Sua escolha é leve ou pesada?
Não estou falando de calorias ou restrições. Mas de alegria e tranquilidade na hora de se alimentar.
A alimentação deve ser programada na sua rotina de acordo com a rotina do seu dia. Que tal aproveitar dias de inspiração para cozinhar e deixar porções extras no freezer para levar de marmita? Se vai estar na rua que tal planejar uma ida a um restaurante de qualidade próximo ao horário do almoço.
Não precisa comer porque está no papel ou seguir o relógio com rigor militar. Tenha sempre algo na mão para os intervalos, essa atitude simples permite escolher o que vai comer, ao invés de ficar refém das opções que existem no momento, ou até de ficar com fome, pois não tem nada para comer.
Sentir fome é natural e saudável, não ignore os sintomas e aprenda com o tempo a perceber a diferença de fome psicológica e fisiológica.
É orgânico do corpo a experimentação de sinais de fome e saciedade ao longo do dia. Isso serve como uma motivação para comer e paramos o que estamos fazendo para ir em busca do alimento. A alimentação consciente, nos ajuda a despertar para os sinais que o corpo apresenta neste sentido e a respeitá-los.
Seja flexível, é importante se ajustar ao possível para não gerar mais estresse para seu dia.
Sempre digo nas consultas que culpa pesa e perdão emagrece. Quando você sente-se culpado a sua produção de cortisol aumenta e a probabilidade de mal estar é grande.

Redescubra sua saúde com nutrição inteligente e criatividade

Você já pensou que existem mais farmácias do que lojas de comida fresca? Isso nos sinaliza que existem mais pessoas doentes do que saudáveis, mais pessoas remediando sua saúde do que prevenindo.
Para ter mais saúde, que tal comprar maior quantidade de alimentos in natura, assim terá nutrientes com melhor biodisponibilidade. Priorize a compra dos alimentos da safra e compre na sua região, para poluir menos e fortalecer o comércio local.
Na medida do possível, consuma mais orgânicos, conheça as feiras da sua cidade e valorize quem produz, muitos dos produtores vendem direto para o consumidor final. Plante algo em casa! De um tempero a uma salada deliciosa, vai depender do seu espaço e da sua dedicação.
A abóbora, por exemplo, pode congelar a parte que não utilizar em cubos, as sementes podem ser tostadas e são excelente fonte de nutrientes e um ótimo vermífugo. Da casca da melancia se faz geléia e do arroz pode ser feito um bolinho de arroz assado.
Medidas de economia, onde a palavra crise perde o S e vira crie, que tal: redução do impacto das embalagens desnecessárias com uso de sacolas ecológicas, armazenamento correto para evitar desperdício e boa programação das compras com listas ou aplicativos para reduzir o desperdício de alimentos.
É preciso parar de fazer o mesmo e descobrir novas maneiras de fazer acontecer. Usarmos a criatividade! Está difícil sozinha? Pense em alternativas para contar com o estímulo de mais pessoas! Quer um exemplo de uma alternativa? Atendo muitos que estão firmes no propósito de descobrirem uma vida mais feliz, com alegria, saúde e prazer.

Como começar a cultivar bons hábitos alimentares

Faço um paralelo no quesito nutricional ao abecedário. Cada um está numa fase e pode evoluir um pouco de cada vez para que novos hábitos se tornem rotina, pois acredito que tudo o que é radical dura pouco tempo.
Até os 20 anos André Busato achava que não gostava de nada que era diferente do que estava habituado a comer. Tinha uma alimentação, de certa forma, limitada, sem muita diferenciação de nutrientes. Por exemplo: só comia alface, pepino e repolho como salada. Ele afirma que possuía um bloqueio psicológico com o diferente e uma grande limitação no paladar. Tinha um certo medo da comida e do novo. Mas foi capaz de se renovar e aprender.
Conforme ele foi entendendo a importância de uma nutrição mais equilibrada, partiu em busca de alternativas que o pudessem ajudar a melhorar.
Dentre as mudanças que fez, três foram relevantes nesse processo:
A primeira foi a adaptação gradual com novos alimentos, ele cortava tudo bem picadinho e comia misturado com as coisas que gostava, no caso, arroz e feijão! ‘tudo no mundo era arroz e feijão, e continua sendo ‘.
A segunda atitude foi uma detox de 2 semanas onde ficou sem comer carnes, açúcar industrializado, gordura ruim e processados. Além de ingerir muito suco verde!!! Nessa fase ele teve a oportunidade de provar diferentes tipos de bons nutrientes e para ajudar deu uma boa limpada no corpo.
E o terceiro passo foi a sua presença atrás do fogão se tornou uma aventura constante.
Apesar de já buscar uma alimentação melhor, ele apenas começou a cozinhar todo dia quando saiu de casa aos 24 anos para morar um semestre fora. A cada dia, tem gostado mais de cuidar da sua alimentação, desde a compra até o preparo dos alimentos, gerando maior qualidade nas refeições.
Esse menino deu um belo salto na sua evolução nutricional. Cultivando bons novos hábitos e colhendo mais saúde. Hoje, cozinhar se tornou um de seus hobbies favoritos, pois além de comer bem, o que é excelente, ele faz isso com e para as pessoas que ele gosta, o que torna tudo melhor.
Se nosso corpo é a nossa máquina de produzir durante a vida, não faz sentido ingerir grande quantidade de alimentos ruins, tipo aquela: você não colocaria gasolina de má qualidade em uma Ferrari. Esse irmão caçula da nutricionista aqui me enche de orgulho.
André acredita também que muito da mudança da alimentação vem do tempo que as pessoas têm disponível para se alimentar, o qual está cada dia mais limitado. Sendo assim, uma boa logística na organização dos alimentos ajuda, e muito, a manter uma boa qualidade nas refeições, evitando cair nas tentações dos fast-foods de maneira contínua.
Eu creio que o que existe de mais democrático no mundo são nossas 24 horas, todos temos o mesmo tempo, independente de sexo, credo e status social. Por isso, planejamento é a chave do sucesso para uma alimentação que visa alegria, saúde e prazer.
Lhe convido a começar uma só melhoria em sua alimentação e colocar em prática um plano de ação e cultivar bons hábitos a partir de agora.

Abobrinha e berinjela delícia

Ingredientes:

. 1 xícara de abobrinha picada
. 1 xícara de berinjela
. 1/3 xícara de azeitonas sem caroço
. 1 cebola cortada em quatro
. ½ xícara de água
. Sal à gosto

Modo de preparo:
Levar todos os ingredientes na panela de pressão por 7 minutos. Depois que sair a pressão arrume em uma assadeira, regue com azeite de oliva, temperos de sua preferência: coentro ou salsinha e cebolinha ou zattar e leve ao forno por 10 minutos.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial